Polícia Civil prende homem denunciado por estuprar a própria enteada no município de Boca do Acre

FOTO: DIVULGAÇÃO/PC-AM
FOTO: DIVULGAÇÃO/PC-AM

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da equipe de investigação da 61ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), situada em Boca do Acre, sob o comando do gestor da unidade policial, Nivandro Torres, cumpriu no lugar, na manhã de domingo (10/02), às 11h30, mandado de prisão preventiva por estupro de vulnerável em nome de um homem de 29 anos, denunciado por ter mantido, durante um ano, relações sexuais com a própria enteada, uma adolescente de 14 anos.

Conforme Torres, o infrator foi preso na casa onde estava morando, situada na rua Doutor José Costa, bairro Platô do Piquiá, em Boca do Acre, município distante 1.028 quilômetros em linha reta da capital. O gestor da unidade policial informou que as investigações em torno de estupros no local tiveram início em novembro de 2018, quando vários casos chegaram ao conhecimento do policial civil por meio do disque 100, da Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos.

“Deflagramos em Boca do Acre, no dia 31 de janeiro deste ano, a operação ‘Inocência’, com o intuito de averiguarmos a veracidade dos estupros relatados, envolvendo crianças e adolescentes. Nesse caso, especificamente, a mãe da vítima, quando foi informada sobre os estupros, confrontou o companheiro e obteve como resposta que ele iria continuar mantendo relações com a adolescente, pois a vítima, na condição de filha da companheira dele, era como se fosse a própria mulher dele. Diante dessa justificativa, mãe e filha fugiram para outro município em maio de 2018”, disse Torres.

O gestor da 61ª DIP disse, ainda, que a vítima relatou que os abusos sexuais começaram quando ela tinha 13 anos. Na época, o padrasto a levava para uma fazenda situada no quilômetro 60 daquele município, onde ele trabalhava. “Ele tirava as roupas dela, passava as mãos no corpo da adolescente e pedia que ela não contasse para ninguém o que acontecia entre os dois. Quando a vítima completou 14 anos, eles passaram a manter relações sexuais constantemente e ele batia na adolescente e a ameaçava de morte com uma faca ou terçado, caso ela não cedesse aos ataques”, explicou.

O infrator foi indiciado por estupro de vulnerável. Ao término dos procedimentos cabíveis na 61ª DIP, ele será mantido na carceragem da unidade policial, à disposição da Justiça. Para concluir, Nivandro Torres pede às pessoas que tenham sido vítimas de práticas criminosas da mesma natureza, envolvendo crianças e adolescentes, para formalizarem as ocorrências. “Garantimos o sigilo das informações”, concluiu.