Procon Amazonas apreende quase 170 kg de carne imprópria para consumo em supermercado no bairro Coroado

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Procon Amazonas apreende quase 170 kg de carne imprópria para consumo em supermercado no bairro Coroado

 

Equipes de fiscalização do Programa Estadual de Proteção e Orientação ao Consumidor (Procon-AM) apreenderam, nesta segunda-feira (12/3), 168 kg de carne suína imprópria para consumo em um supermercado no bairro Coroado, zona leste de Manaus.

Segundo os fiscais, o produto apresentava odor e aparência característicos do estado de decomposição. As equipes registraram os autos de constatação e apreensão, retirando o produto da área comercialização.

“A carne apreendida estava em desacordo com as normas regulamentares de apresentação por estar descongelada. Constatamos que o produto, fracionado e embalado pelo supermercado, está com odor e aparente decomposição. Determinamos o recolhimento imediato e lavramos também um Termo de Depósito, deixando o estabelecimento como fiel depositário do alimento, até a verificação pela Vigilância Sanitária, que já foi acionada”, informou Matheus Bustos, fiscal do Procon/AM.

Na mesma ação, as equipes encontraram outros 127 itens vencidos ou inadequados ao consumo nas prateleiras do estabelecimento. Segundo Saint-Cyr Barbosa, fiscal do Procon/AM, os itens foram recolhidos e inutilizados após a retirada das prateleiras, além de lavrados os respectivos autos.

“É uma medida de segurança efetuarmos o descarte dos produtos apreendidos, para evitar que sejam colocados de volta na área de comercialização”, explicou Saint-Cyr.

Entre os itens inutilizados estavam achocolatados, iogurtes, arroz, feijão, queijos e cortes de carnes. A multa pelas infrações, por causa do volume e gravidade das infrações, ainda será calculada.

Denúncias – Os consumidores podem encaminhar denúncias para o Procon Amazonas pelo telefone 0800 092 1512 e pelo e-mail fiscalizacaoprocon@procon.am.gov.br. Além de produtos vencidos, podem ser denunciadas outras situações que demandem fiscalização, como demora na fila de banco, ausência de preços na vitrine, entre outras.