Escolas da rede pública estadual participam do Dia da Mobilização para a Base Nacional Comum Curricular (BNCC)

Banner divulgação
Banner divulgação

Escolas da rede pública estadual participam do Dia da Mobilização para a Base Nacional Comum Curricular (BNCC)

Mobilização acontecerá em todas as 599 escolas da rede estadual, além de unidades das redes municipal e privada de ensino

 

Professores, pedagogos, gestores e técnicos da educação das redes estadual, municipal e privadas de ensino da capital e do interior do Estado participarão, na próxima sexta-feira (16/03), do Dia da Mobilização no Amazonas para a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A proposta é que todas as escolas estudem o documento, se apropriem e compreendam o a sua importância no processo de ensino-aprendizagem.

Todas as 599 escolas da rede pública estadual da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) participarão da mobilização, no horário de aula. No caso do turno matutino, será a partir das 7h. No vespertino, a partir das 13h; e no noturno, a partir das 19h.

A Seduc realizará, por intermédio do Centro de Mídias do Amazonas (Cemeam), a abertura oficial do Dia D com uma transmissão para todos os pontos de recepção do Estado, às 11h. Estarão presentes o secretário da pasta, professor Lourenço Braga, e representantes da União Nacional dos Dirigentes Municipais da Educação (Undime), do Sindicado dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Amazonas (Sinepe/AM) e Secretaria da Educação Básica do Ministério da Educação. Independente da abertura oficial, as atividades ocorrerão normalmente nas escolas.

De acordo com o secretário Lourenço Braga, a Base Nacional Comum Curricular é importante por trazer uma nova proposta para a melhoria do ensino nas escolas. “O Brasil vai construir um processo diferente de educação com uma Base Comum Curricular a todas às escolas e a todos os municípios e estados. Vai se permitir, com essa nova proposta, a introdução de conhecimentos específicos. Precisamos utilizar isso para trabalhar o conhecimento da nossa região Amazônica que encanta tanto no Brasil quanto e no resto do mundo”, destacou o titular da pasta.

O gerente do Ensino Médio da Seduc, professor Antônio Menezes, enfatizou que a ideia é que todas as escolas parem suas atividades e se apropriem do documento. “Todas as escolas públicas e privadas irão estudar o documento, vão se apropriar e entender o que é esse documento, qual a sua importância no processo de ensino-aprendizagem, de que forma isso vai proporcionar aos estudantes uma educação equitativa e com as habilidades e competências essenciais para a formação do cidadão para o século 21, um cidadão que entende o seu contexto contemporâneo, entende as contradições desse contexto e possa ser o sujeito e contribuir para a melhoria da sociedade”, explicou Antônio.

Mobilização – Menezes ressaltou que, a princípio, a mobilização envolverá professores, pedagogos, gestores, técnicos da educação das redes de educação, mas que haverá momentos específicos para que também os alunos, pais e a comunidade conheçam e compreendam a importância do documento.

“Recentemente, a Seduc assinou um termo de regime de colaboração com a Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais do Amazonas), então a partir dessa assinatura, escolas estaduais e todas as municipais do Amazonas vão trabalhar sempre em conjunto no planejamento da implementação e nesse momento, como é a primeira atividade oficial da base pós-homologação, todos os professores, pedagogos, gestores, técnicos da educação dessas redes vão parar suas atividades para fazer essa discussão. Nesse momento, não participarão ainda estudantes e pais, mas nas próximas, todos vão participar também, até porque a sociedade precisa entender esse documento”, afirmou Menezes.

Ação alcança o interior

As escolas do interior do Estado também terão programações específicas para a discussão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Conforme explica o professor Antônio Menezes, a Seduc realizou encontros com as Coordenadorias Distritais da Capital, responsáveis pelas unidades de ensino em Manaus, e com as Coordenadorias Regionais, responsáveis pelas unidades do interior, via Centro de Mídias de Educação (Cemeam), para orientar as escolas a organizarem suas discussões.

“Disponibilizamos todos os documentos de orientação, inclusive o documento que o MEC (Ministério da Educação) elaborou como proposta de atividades para esse dia e um roteiro de atividades para as escolas se prepararem, se organizarem”, contou.

Escolas que oferecem educação infantil, ensino fundamental e ensino médio participarão da discussão. “As escolas, nos três períodos vão discutir somente a base, tanto as escolas de educação infantil, ensino fundamental e até do ensino médio também, porque apesar da base homologada estar contemplando, nesse momento, somente educação infantil e ensino fundamental, os professores do ensino médio, por mais que a base do médio ainda não tenha sido homologada, precisam já ter uma noção do que é esse documento, para quando chegar a base homologada do médio eles já tenham uma apropriação inicial e um entendimento desse documento”, acrescentou o professor.

Programação

O dia de mobilização será marcado por momentos de leitura de parte do documento da base; leitura sobre as dez competências, que perpassam todas as etapas da educação básica (educação infantil, ensino fundamental e ensino médio); momentos de reflexão sobre o que é a base, o seu papel, a sua importância, que cidadão a escola está formando, que cidadão ela precisa formar para o século XXI e seus desafios, referentes às redes sociais, ao momento econômico, às questões políticas; além de momentos de discussão coletiva, avaliando de que forma a base vai impactar na prática pedagógica em sala de aula.

“A base dá todas as condições e é o referencial para a reelaboração do currículo do Estado do Amazonas, então a partir de agora, a Seduc junto com a Undime, vai coordenar através dos técnicos que foram selecionados e que vão participar de um treinamento em Brasília, a produção de uma proposta de currículo novo, tendo como referência a base homologada da educação infantil e ensino fundamental. A base passa a ser o balizamento de uma nova escola, o balizamento de uma nova forma de construir a formação dos estudantes”, finalizou Menezes.

BNCC - A BNCC foi homologada no mês de dezembro do ano passado para a educação infantil e ensino fundamental. É um documento normativo que estabelece os conhecimentos essenciais e mínimos que todos os estudantes do Brasil, sejam de escolas particulares ou públicas, devem aprender e isso consolidado em dez competências que perpassam todas as etapas da educação básica.

FOTOS: DIVULGAÇÃO/SEDUC