Amazonas lança programa inovador na Alemanha

FOTO: DIVULGAÇÃO/SEMA
FOTO: DIVULGAÇÃO/SEMA

Iniciativa será apesentada na 23ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática com representantes de 197 países empenhados em reduzir emissões de Gases do Efeito Estufa e o aumento da temperatura global


O Governo do Amazonas lança, nesta quarta-feira (15/11), uma inovadora visão de desenvolvimento ambiental e sustentabilidade, o “Amazonas for the planet program”, na 23ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP23), que acontece em Bonn, na Alemanha. A apresentação será feita pelo secretário de Estado do Meio Ambiente (Sema) e diretor-presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Marcelo Dutra, que coordenada o grupo de trabalho amazonense no evento.

Desenvolvido pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente, o programa é uma estratégia que concilia fundamentos culturais e econômicos locais, a conceitos avançados de combate as mudanças climáticas. A iniciativa tem como base a promoção da valorização dos ativos ambientais como vetores de integração socioeconômica das populações do Estado.

De acordo com Marcelo Dutra, o programa confirma o comprometimento do Amazonas contra as mudanças do clima, desmatamento e queimadas. “O Amazonas for the planet program” mostra que o Estado assume o compromisso de implementar um novo modelo de gestão, migrando a pasta ambiental para o mais alto escalão de planejamento estratégico e econômico”, destacou.

Como embasamento, o programa destaca a criação três novas unidades de conservação (UCs) que, juntas, representam 1 milhão de hectares nos municípios de Manacapuru, Pauini e Coari. Atualmente existem 42 UCs estaduais. Prevê o fomento de agendas ambientais desde acordos de pesca, a turismo de base sustentável e unidades de conservação como micropolos econômicos com o estabelecimento de uma marca para os produtos feitos em áreas protegidas.

O programa estabelece um sistema socioeconômico de valorização dos ativos ambientais por meio da redução das emissões por degradação florestal com pagamento de serviços ambientais por desmatamento evitado. “Isso significa colocar o meio ambiente como protagonista, valorizar os recursos naturais e garantir a conservação da floresta dando a ela a merecida atenção”, disse Dutra.


Foco - Um os projetos centrais do programa e do novo modelo de gestão a ser implementado é a vigilância ambiental com a criação do Centro Integrado de Monitoramento e Inteligência Ambiental (Cimea). O centro unificará um amplo banco de dados para nortear a tomada de decisões de Estado.

As metas foram estabelecidas até 2030 e contemplam, entre outros pontos, a valorização do capital natural; manutenção de 97% da cobertura florestal, geração de 120 mil oportunidades de trabalho e renda por meio da utilização dos ativos, produtos, bens e serviços ambientais; neutralização de 100% da emissão de CO2 dos empreendimentos industriais, estabelecimento de polo de biotecnologia para cosméticos, fármacos, químicos, além de ativos e patentes, a partir de recursos naturais, bem como a interiorização do desenvolvimento e a conclusão de 100% do Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE).

Prévia - Uma prévia do “Amazonas for the planet program” foi apresentada na última segunda-feira (13/11), na Universidade de Bonn, em evento paralelo à COP23, na palestra proferida pelo secretário Marcelo Dutra. Ele destacou o fortalecimento da governança ambiental do Amazonas para estudantes, professores e líderes de vários países.

O stand do Amazonas conta ainda com o projeto de ecopainéis do professor doutor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Antônio Mesquita que descobriu, na fibra do caroço do açaí, potencial para produção MDF para a fabricação de móveis sustentáveis.