FCecon registra 100 mil atendimentos a mais nos sete primeiros meses de 2017

FOTO VALDO LEÃO / SECOM
FOTO VALDO LEÃO / SECOM

 A Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), unidade vinculada à Secretaria de Estado da Saúde (Susam), registrou, nos sete primeiros meses deste ano, 682,5 mil procedimentos ambulatoriais e hospitalares, 17,8% a mais que o mesmo período de 2016, um acréscimo de 103,3 mil atendimentos. O aumento é fruto do empenho dos profissionais da instituição e de mudanças no modelo de gestão, que incluíram adequações de fluxo em diversos setores e a otimização dos recursos públicos, explicou o diretor-presidente da Fundação, cirurgião oncológico Marco Antônio Ricci.

O setor com a maior produção, em 2017, foi o Laboratório de Análises Clínicas, que contabilizou 351.253 procedimentos realizados no período. Em segundo, ficou o Serviço de Enfermagem, com 106.996. “Acreditamos que o aumento nos atendimentos se dá, gradativamente, por sermos uma unidade de referência na região. O Governo do Estado tem investido valores significativos para que possamos ampliar nossa oferta, acompanhando a demanda. Só este ano, chegamos à marca de 46,9 mil consultas médicas, além de outras 12,4 mil de nível superior, incluindo as mais diversas áreas e especialidades”, destacou Ricci.

Os serviços que, juntos, compõem o chamado ‘tripé oncológico terapêutico’, chegaram a 52,4 mil procedimentos, sendo 38.370 atendimentos de radioterapia, 12.380 de quimioterapia e 1.688 cirurgias de média e alta complexidade na assistência hospitalar, com foco no diagnóstico e tratamento dos mais diversos tipos de câncer.

Outro dado que demonstra a importância da unidade de saúde como polo de referência na Amazônia Ocidental, é o número de novos prontuários abertos, de janeiro a julho, na FCecon. Foram cerca de três mil, representando pessoas com suspeita ou diagnóstico de neoplasias malignas, encaminhadas pela rede pública à unidade terciária ou que migraram da rede privada em busca de tratamento especializado gratuito.

Conforme Marco Ricci, a expectativa é que, nos próximos meses, haja um acréscimo no número de procedimentos cirúrgicos na FCecon, em função da inauguração da primeira Sala Inteligente para Cirurgias Minimamente Invasivas da Região Norte, prevista para ocorrer ainda este ano. “A sala está 80% montada, restando poucos detalhes para entrar em funcionamento. O recurso final foi liberado pelo Fundo de Promoção Social (FPS). O modelo auxiliará no tratamento de portadores de câncer em estágio inicial, que poderão optar por videolaparoscopias menos invasivas, com recuperação mais rápida e melhoria na qualidade de vida. É um grande passo, tanto na área assistencial, quando na tecnológica”, concluiu.