DPE do Amazonas escolhe empresa promotora para concurso público

Foto - Divulgação
Foto - Divulgação

Em reunião nesta quinta-feira, dia 5 de julho, na sede da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), o Conselho Superior da instituição definiu a empresa que será responsável pela organização e execução do segundo concurso para provimento do cargo de defensor público de carreira.

Entre as propostas, constavam as do Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB), da Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt (Funcab) e Fundação Carlos Chagas (FCC). Após a deliberação dos membros do Conselho, a Fundação Carlos Chagas (FCC) foi escolhida pela maioria, seguida pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB).

 Caso a Fundação Carlos Chagas não venha a concordar com a alteração do Regulamento do Concurso modificado na 12ª Reunião Extraordinária de 2012 ou apresentar contraproposta que possa onerar o serviço a ser prestado, o colegiado decidiu por unanimidade que ficará o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB) responsável pela organização e execução do certame, por ter sido o segundo mais votado.

 O colegiado, presidido pelo defensor público geral, Ricardo Trindade, analisou itens como o currículo da empresa, capacidade técnica para executar um certame deste porte, recursos financeiros propostos para a realização total do concurso, além da logística que será adotada para garantir a lisura do processo de seleção, a segurança e comodidade dos candidatos.

Segundo Trindade, todas as medidas preventivas estão sendo tomadas pela DPE-AM para que o novo concurso seja realizado com alto padrão de qualidade, sendo a escolha da empresa um dos pontos mais importantes para garantir este processo.

 “É um anseio da Defensoria Pública dar transparência, agilidade e qualidade ao próximo concurso público que será realizado e a empresa escolhida será monitorada constantemente para que o nosso concurso aconteça o quanto antes, pois o órgão necessita dos novos defensores públicos para melhorar e ampliar os serviços prestados”, afirmou.

 Após a escolha da empresa, os próximos passos para a realização do certame são a composição da Comissão Organizadora e a publicação do edital. A previsão do Conselho Superior é que em novembro deste ano pelo menos 35 novos defensores públicos sejam empossados e iniciem suas carreiras nas comarcas do interior do Estado.