Governador Omar Aziz aguarda nesta segunda-feira solução para crise no polo de duas rodas

Foto - Alex Pazuello / AGECOM
Foto - Alex Pazuello / AGECOM

O governador Omar Aziz aguarda para estasegunda-feira, 21 de maio, uma definição que ponha fim na ameaça de crise dopolo de duas rodas da Zona Franca de Manaus. Para empresários que participavamna noite desta sexta-feira (18.05) da entrega do Prêmio Industrial do Ano,organizado pela Federação das Indústrias do Amazonas (Fieam), ele disse tersido informado pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, sobre uma reunião nasegunda com os representantes do setor automobilístico para tratar sobreflexibilização do financiamento de veículos pelos bancos.

“Os bancos não estão financiando e nóstemos um excesso de motos nos pátios das fábricas em Manaus”, disse o governador,ao ser informado por representantes do setor de duas rodas de que na semana quevem, a fábrica da Moto Honda da Amazônia, onde está a maior produção demotocicletas da marca Honda no mundo, vai suspender a produção por dois dias.Segundo o governador, há um compromisso da empresa em não demitir. “Eles vãoajustar a produção”, garantiu. O polo de duas rodas emprega cerca de 40 miltrabalhadores em Manaus.

Cheia e solidariedade – Presente na cerimônia de entrega doprêmio, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), RobsonAndrade, prometeu que a instituição vai destinar R$ 500 mil para ajudar o Governo do Amazonas no socorro às vítimas da maior cheia de todos os tempos noEstado.

Ao agradecer a ajuda, o governador OmarAziz anunciou que neste fim de semana inicia reunião com equipe de governo paratratar sobre o cronograma de retirada de cerca de 4 mil famílias que moram emáreas alagadas, por meio do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus(Prosamim). “Se Deus quiser, ano que vem, na próxima cheia, essas pessoas nãoestarão mais morando nessas condições e não mais enfrentarão essa situaçãodifícil que estão vivendo com a cheia”.

No interior, o Governo do Amazonas jáentregou o cartão Amazonas Solidário no valor de R$ 400 para 31,7 mil famílias atingidas pelas cheias.